Logo news 29/09/2017
Compartilhar Tweet
logo-vert-slogan222.png

CEO do Qranio defende que as novas gerações não têm motivação para aprender por meio de mecanismos tradicionais e conteúdos engessados

Por Naiara Araújo

Em Juiz de Fora (MG), em 2011, foi criado o Qranio, que chegava ao mercado com um único propósito: tornar o aprendizado divertido. No início, a startup consistia apenas de um aplicativo gratuito (ainda disponível), onde as pessoas respondiam perguntas de múltipla escolha, acumulavam pontos e podiam trocar por prêmios reais.  “Apesar de oferecer aos usuários uma ferramenta onde elas podem ter acesso ao conhecimento, tínhamos dificuldades para monetizar a plataforma”, conta Samir Iásbeck de Oliveira, CEO do Qranio.

Mudanças na startup

Desde 2013 a empresa passou a oferecer também soluções corporativas com o Qranio Mobile Learning. Essa foi a forma encontrada pela empresa para complementar a receita, que já não é mais sustentada pelo setor B2C (business to client). De acordo com Oliveira, o aplicativo Qranio teve papel importante como tática de marketing para chegar ao setor B2B. “Nossos clientes são médias e grandes empresas que buscam capacitar seus colaboradores de uma forma mais inovadora e alinhada com os dias atuais”, explica Oliveira. Atualmente, a plataforma é utilizada por empresas como Bradesco, Grupo Pão-de-Áçucar, Brasil Kirin e Eli Lilly.
A plataforma visa atender, principalmente, a geração ‘Millennials’, pessoas que nasceram entre 1980 e 2000. “Podemos facilmente inferir que esta geração não tem motivação para aprender por meio de mecanismos tradicionais, como apostilas que disponibilizam conteúdos engessados”, afirma o CEO do Qranio. “A geração ‘Millennials’ busca adquirir conhecimento por meio de plataformas tecnológicas, de forma objetiva e dinâmica.”

Educação e tecnologia

Nas plataformas móveis, a tecnologia utilizada pelo Qranio oferece conhecimento com a oferta de conteúdo em formato de microlearning. O CEO da startup explica que o método de microlearning ou pílula de conhecimento consiste em fornecer informações relevantes para as pessoas de forma objetiva e eficiente. “Utilizamos as pílulas de conhecimento em ambientes gamificados, com o suporte de nossas ferramentas tecnológicas”, diz. 

Um dos principais desafios da startup tem sido desenvolver metodologias de ensino-aprendizagem cada vez mais eficientes e alinhadas com as expectativas das empresas que atendem. “Estamos sempre trabalhando para aumentar nossa cartela de clientes e levar, cada vez mais, nosso aplicativo customizado para as corporações”, afirma Oliveira. “Nosso propósito é sempre tornar o aprendizado divertido, leve, engajante, persuasivo e efetivo.” 

De acordo com ele, as novas tecnologias são essenciais para promover inovação na educação e não teremos como fugir disto. “Nosso desafio é descobrir como a tecnologia estará presente e poderá ser mais efetiva para o aprendizado. E é esta busca que respiramos 24h e 7 dias por semana aqui no Qranio”, afirma Oliveira. 

Público-alvo: geração millennials e empresas.
Tipo de solução: plataforma de ensino.
Modelo de cobrança: plataformas personalizadas para cada cliente.

Fonte: https://polinize.com/startup-criada-para-tornar-aprendizagem-divertida-passou-oferecer-solucoes-para...